quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Quatro jovens em busca de conversão

  
 * Artigo de A. Torres Neiva

          Quatro jovens viviam às margens de um rio perdido entre as rochas de uma montanha. Tinham-se reunido levados por um mesmo sonho que identificava os quatro : a busca da santidade. Resolveram formar uma comunidade de vida, escolhendo para superior um ancião renomado, homem santo e cheio de sabedoria nos caminhos de Deus. A fama daquela comunidade de jovens chegou à cidade e logo outros se reuniram ao pequeno grupo. Ao fim de alguns anos foi preciso construir um convento. Todos falavam da santidade dos irmãos e havia até quem contasse milagres por obra e graça daqueles santos.

Porém os quatro jovens fundadores não estavam contentes. Não é que as coisas estivessem mal, escândalos não havia, mas não corriam como eles gostariam.

Certo dia, durante uma reunião da comunidade, que acontecia toda semana, Cassiano disse o que todos já adivinhavam : abandonaria a comunidade porque ali não se vivia com austeridade e pobreza. Bruno igualmente pediu a palavra para acusar a comunidade de falta de generosidade e de dedicação aos outros. Para isso não valia a pena estar ali. E também ele partiria. Logo em seguida, Geraldo queixou-se do pouco tempo que a comunidade dedicava à oração. Eram orações decoradas, rotineiras, que a ele pouco falavam. Abandonaria da mesma forma a comunidade.

Por fim, Hilário, responsável pelas plantações, manifestou também o seu descontentamento pela pouca vontade de trabalhar que percebia nos seus irmãos. Uma comunidade de gente burguesa era um contra-testemunho. Por isso ele iria tratar da sua vida.

E, assim, aqueles quatro, desejosos de uma comunidade mais perfeita, saíram para o mundo à procura de uma maior radicalidade de vida.

O superior, homem experimentado na vida e cheio de sabedoria nos caminhos de Deus, deixou-os partir. Deu-lhes a bênção e disse-lhes que as portas do convento estariam sempre abertas. Era uma tradição antiga já dos tempos de São Bento. Passaram-se muitos anos. Um belo dia, quatro anciãos de cabelos brancos, bordão na mão e saco ao ombro, bateram à porta do convento.

Cassiano pedia para ser readmitido, pois queria ser pobre e austero; Bruno desejava ser mais generoso; Geraldo vinha à procura de paz e serenidade para rezar e Hilário queria aproveitar as forças que ainda lhe restavam para trabalhar e dar o melhor de si mesmo.

Os quatro compreenderam afinal o seu pecado : desejaram converter a comunidade antes de converterem a si próprios. Agora perceberam que eram eles que deviam se converter.


Fonte :  
* Artigo adaptado de Vida Consagrada, 275 – Janeiro 2005, do Padre Adélio Torres Neiva, C. S. Sp. (missionário espiritano (+2010)). 

Revista Beneditina nrº 15, Março/Abril de 2006, editado pelas monjas beneditinas do Mosteiro da Santa Cruz – Juiz de Fora/Minas Gerais. 
 publicacoesmonasticas@yahoo.com.br
  

Nenhum comentário: