quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Reintegração na sociedade das meninas-soldados : É possível renascer

Por Eliana Maria (Ir. Gabriela, Obl. OSB)

Resultado de imagem para rosemary nyirumbe
*Artigo de Padre Efrem Tresoldi,
Missionário Comboniano



  A sua infância foi marcada por uma crueldade indescritível. As antigas meninas-soldados descobrem a hospitalidade da escola Santa Monica onde aprendem um ofício e a ser amadas. A obra é dirigida pela Irmã Rosemary Nyirumbe, que foi considerada umas das 100 pessoas mais influentes de 2014 pela revista Time.


‘Restituir a dignidade e a confiança a antigas crianças-soldados é uma tarefa difícil, mas a irmã Rosemary Nyirumbe não tem a menor dúvida : é um desafio que vale a pena. Estas meninas-soldados são vítimas inocentes de Joseph Kony e do seu Exército de Resistência do Senhor (LRA).

Há 25 anos que este grupo rebelde aterroriza aldeias do Norte do Uganda. Saqueia, chacina e faz prisioneiros. Cerca de 30 000 rapazes e raparigas foram já raptados pelo LRA. Depois, os homens de Kony submetem as crianças raptadas a treino militar e obrigam-nas a usar armas e a praticar atrocidades mesmo contra as próprias famílias. As raparigas são muitas vezes usadas como escravas sexuais e forçadas a serem «esposas» de Kony e dos seus homens.

A guerra terminou em 2007, mas, para as antigas meninas-soldados, é como se não tivesse acabado. Sofreram traumas que continuam a afetar-lhes a vida e necessitam de apoio na longa caminhada da cura e da reconciliação. A Irmã Rosemary tem consciência desta realidade e por isso está decidida a desenvolver na sua escola programas de formação humana e profissional, que incluem também cursos de fornecimento de refeições e de cozinha étnica.


A escola em Santa Monica

A Irmã Rosemary recorda : «Em 2001, desloquei-me a Gulu para reativar a escola feminina de costura. A Escola de Santa Monica encontrava-se num estado de abandono terrível, o edifício tinha capacidade para alojar trezentas alunas, mas na altura apenas lá se encontravam trinta. Soube mais tarde que muitas raparigas tinham sido raptadas pelos rebeldes de Kony. As antigas meninas-soldados precisam de exteriorizar o seu sofrimento com pessoas em quem confiem, mas têm medo de o fazer.»

«Um dia – prosseguiu a Irmã Rosemary – perguntei a uma das raparigas, Jewel, por que motivo nunca olhava as outras pessoas nos olhos. “Porque sinto os olhos a arder”, foi a resposta, nada convincente. Por fim, decidiu-se a falar. Foi raptada ainda em criança e ficou nove anos com os rebeldes do LRA. Foi explorada, treinada no manejo de armas e, quando se tornou comandante, liderou ataques às aldeias e roubou os seus habitantes. Tinha medo de que alguém a reconhecesse e por isso olhava sempre para o chão e não para o rosto das outras pessoas. Um dia, depois de ganhar a sua confiança, levei-a ao mercado e, pouco a pouco, Jewel começou a libertar-se dos seus medos e a exprimir os seus sentimentos.»

Jewel e as outras antigas raparigas-soldados acham os cursos difíceis : falta-lhes os conhecimentos básicos de matemática e de ciências porque não puderam frequentar a escola primária durante a guerra. Por isso, a Irmã Rosemary adaptou as aulas de maneira a ir ao encontro das necessidades das suas alunas. Pôs de parte as aulas teóricas e introduziu aulas práticas, como as de corte e costura. O novo método resultou bem e Jewel tornou-se a melhor costureira da aula, ao mesmo tempo que, num breve período, dezenas de outras raparigas se candidatavam para frequentar os cursos da escola. E muitas mais apareceram depois de a Irmã Rosemary, numa mensagem por rádio, se ter dirigido a todas as raparigas que tinham conseguido fugir dos rebeldes, incentivando-as a inscreverem-se nos cursos, a aprenderem uma profissão e a tornarem-se financeiramente independentes. Encorajou também as mães solteiras e as raparigas grávidas a frequentarem as aulas. O seu convite foi aceite com entusiasmo. A Irmã Rosemary incumbiu um grupo de mulheres de cuidarem dos filhos das mães solteiras enquanto estas estão nas aulas, pois elas tinham medo de deixar as crianças sozinhas em casa e que alguém pudesse fazer-lhes mal ou mesmo matá-las para vingar as atrocidades cometidas pelas mães, as antigas meninas-soldados.


Amar sem julgar

A eficiência e o profissionalismo não são, no entanto, tudo. A formação humana e espiritual são igualmente importantes. As antigas meninas-soldados não gostam de falar do seu passado. A Irmã Rosemary está convicta de que estas raparigas têm de ser amadas incondicionalmente, sem as julgarmos. Temos de as ouvir e ganhar a sua confiança, sem falar do seu passado. Elas falarão sobre aquilo que viveram quando se sentirem preparadas para isso. Transportam dentro de si memórias horríveis, uma carga demasiado pesada até para um adulto. Algumas foram violadas na presença dos pais, antes de serem raptadas e levadas para a floresta. Outras, depois de raptadas, foram mandadas de volta para as famílias e obrigadas a matar os pais, os irmãos, as irmãs e outros familiares.

«É fundamental dar-lhes um amor incondicional – prosseguiu a Irmã Rosemary. – Ao sentirem-se amadas, estas jovens acabam lentamente por aceitar até os seus filhos, que são fruto da violência, e libertam-se dos sentimentos de ódio». À medida que vão ganhando confiança, as raparigas começam pouco a pouco a contar algumas coisas, até ao momento em que revelam de um jorro as suas histórias atormentadas e as suas emoções, como rios que transbordam dos leitos.


Perdoarem a si próprias

«Muitas das raparigas que conheci aprenderam a perdoar aos seus raptores, mas não a si próprias» – conta a Irmã Rosemary. «Sentem-se ainda dominadas por um sentimento de culpa pelos atos brutais que foram obrigadas a praticar para que não as matassem». Lembro-lhes sempre que não há pecado nenhum que Deus não possa perdoar e acrescento que Deus já lhes perdoou. O Pai enviou Jesus, que deu a vida para nos libertar. O perdão é um caminho longo. As antigas meninas-soldados necessitam de muito tempo para recuperar das atrocidades a que foram sujeitas e para lidar com as recordações dolorosas.

«Cabe-nos a nós acompanhá-las no longo caminho da recuperação e apoiá-las quando o desânimo toma conta das suas almas. Mostrar-lhes o nosso apoio incondicional ajuda-as a recuperar a dignidade e a restituir a paz às suas mentes e corações. Tenho a esperança de que, quando deixarem a escola, já sejam capazes de perdoar às outras assim como Deus lhes perdoou, e aceitar as demais da mesma maneira que elas próprias foram aceites», disse a Irmã Rosemary. Muitas raparigas, depois de frequentarem as aulas da escola da Irmã Rosemary, têm conseguido encontrar emprego. Algumas trabalham em cozinhas de hotéis ou noutros serviços. Estão reintegradas na sociedade.’

Resultado de imagem para rosemary nyirumbe

Fonte :

Nenhum comentário: