sábado, 19 de abril de 2014

A renúncia e a cruz na vida do cristão

Por Eliana Maria (Ir. Gabriela, Obl. OSB)


  * Artigo de Dom Orani João Tempesta, O. Cist.,
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ


‘A cruz é o sinal do cristão! Esta afirmação pode parecer simples, mas tem profundidade teológica, pois quem busca um Cristo sem a cruz corre o risco de encontrar uma cruz (sofrimento) sem Cristo. Enquanto seguidor de Cristo, o cristão sabe que o Senhor é o Deus da vida a reinar glorioso, mas entende também que o sofrimento, em suas diversas naturezas, é inerente à vida humana e, por isso, o próprio Deus, embora não cause nem queira a dor, permite-a para fazer dela via de santificação e salvação.

Isso ensina o Papa emérito Bento XVI em sua catequese de 29 de outubro de 2008, ao tratar do mistério da cruz nos escritos do Apóstolo Paulo : ‘As primeiras comunidades cristãs, às quais São Paulo se dirige, sabem muito bem que Jesus já ressuscitou e está vivo; o Apóstolo quer recordar não apenas aos Coríntios ou aos Gálatas, mas a todos nós, que o Ressuscitado é sempre Aquele que foi crucificado. O ‘escândalo’ e a ‘loucura’ da Cruz encontram-se precisamente no fato de que onde parece existir somente falência, dor e derrota, exatamente ali está todo o poder do Amor ilimitado de Deus, porque a cruz é expressão de amor, e o amor é o verdadeiro poder que se revela precisamente nesta aparente debilidade’.

D. Estevão Bettencourt, OSB, escreve no editorial da revista Pergunte e Responderemos, nº 471, agosto de 2001, p. 1 : ‘Ao considerar a sorte final do cristão, o Apóstolo o tem como co-herdeiro do Pai com Cristo, à condição de passar pela via régia por que passou o Senhor Jesus: a via da cruz’... contanto que compadeçamos para que sejamos também glorificados’ (Rm 8,17). ‘O Senhor Jesus quis fazer do padecimento e da morte (consequências do pecado) a estrada real que leva à glória. Sofrer com Cristo é configurar-se ao Filho e tornar-se co-herdeiro do Pai’.

O cristão é ‘co-herdeiro do Pai com Cristo’, ou seja, todos nós que recebemos, no Batismo, o dom da fé cristã e a professamos no dia a dia somos cristãos. Deus quis, pelas águas batismais, tornar-nos filhos no Filho (Gl 4,5-7). Sim, o Filho por excelência é Jesus Cristo e é n’Ele, por Ele e para Ele que tudo foi criado, a fim de que em tudo fosse d’Ele a primazia (cf. Cl 1,15-20), mas o Senhor, de modo livre e gratuito, nos chamou a tomar parte nessa herança divina. Tornamo-nos, então, co-herdeiros : o Senhor Jesus, Filho de Deus, reparte conosco tudo o que o Pai lhe deu.

Isso, todavia, tem apenas uma condição: ‘passar pela via régia por que passou o Senhor Jesus : a via da cruz’. A cruz já não é mais um instrumento de vergonha, loucura ou escândalo como foi para os povos antigos, mas é, depois da paixão de Cristo, a via régia ou a estrada real que o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores quis, voluntariamente, como novo homem, passar a fim de abrir-nos, com seu sacrifício redentor, as portas da salvação que o pecado do velho homem fechara.

Querer estar com o Senhor nos bons momentos é muito fácil, os próprios apóstolos e discípulos não ficaram imunes a essa terrível tentação. Tomemos apenas dois exemplos : a Transfiguração no Tabor (cf. Mc 9,2-8), cujo relato mostra Pedro, Tiago e João entusiasmados com o que viam : o Senhor Jesus envolto em glória acompanhado de Moisés e Elias, símbolos da Lei e dos Profetas do Antigo Testamento. Querem ficar ali, fazer tendas para os ilustres personagens. A eles nem um refúgio era necessário, já estavam felizes só de poderem contemplar tamanha maravilha.

Contudo, o Senhor, sem privá-los desse importante momento de gozo espiritual, chama-os à realidade convidando-os a descerem da montanha, voltarem para as atividades diárias, retomarem a cruz de cada dia e segui-Lo (cf. Lc 9,23). Também nós sofremos dessa tentação de querermos apenas o Senhor glorificado e desprezarmos o Cristo chagado, cuspido, desprezado... É nada mais nem menos do que a recusa da cruz e a busca apenas da glória. Tentação dos Apóstolos, tentação nossa!

Outro fato portentoso é a multiplicação de pães e peixes (cf. Jo 6,26s), depois da qual imensa multidão passou a seguir Jesus. O divino Mestre, no entanto, logo percebeu que seus muitos seguidores não estavam interessados na renúncia e no sacrifício corredentor que a vida cristã exige, mas, ao contrário, queriam apenas prosperidade material. Buscavam não o verdadeiro Senhor, que é, sim, poderoso e ressuscitado, mas tão-somente o Jesus taumaturgo ou milagreiro, capaz de satisfazer – às nossas ordens – todos os nossos desejos e caprichos.

Buscavam não o verdadeiro Deus, revelado plenamente em Jesus Cristo, que ensina a pedir confiante o pão de cada dia (cf. Mt 6,11), mas admoesta também a submetermo-nos ao projeto divino, cuja vontade deve ser feita (cf. Mt 26,39), mas procuravam o deus da magia, submisso aos seus desejos mais mesquinhos. Quem tem um deus assim, foge na hora do apuro, da cruz. Alguns discípulos que, confusamente, esperavam um Messias glorioso e dominador político que lhes daria tronos neste mundo, de modo que pudessem ficar um à sua direita e outro à sua esquerda podem, simbolicamente, representar cada cristão que não entende o mistério da cruz. Que é incapaz de compreender como Deus se fez homem e, sendo o governante de tudo, o Pantokrator, se submete às forças deste mundo e à morte de cruz. Esse Deus não pode ser seguido, mas, ao contrário, deve – na mentalidade dos que buscam apenas um Rei glorioso – ser abandonado (cf. Mc 14,37s) e a renegado (Lc 22,54-62).

No entanto, a ação do verdadeiro Deus não é assim, segundo relembra o Papa Bento XVI na catequese que já citamos, ao dizer que : ‘a Cruz revela ‘o poder de Deus’ (cf. 1 Cor 1, 24), que é diferente do poder humano; com efeito, revela o seu amor: ‘O que é considerado como loucura de Deus é mais sábio que os homens, e o que é tido como debilidade de Deus é mais forte que os homens’ (Ibid., v. 25). Há séculos de distância de Paulo, nós vemos que na história venceu a Cruz e não a sabedoria que se opõe à Cruz. O Crucifixo é sabedoria, porque manifesta verdadeiramente quem é Deus, ou seja, poder de amor que chega até à Cruz para salvar o homem. Deus serve-se de modos e de instrumentos que para nós, à primeira vista, parecem debilidade. O Crucifixo releva, por um lado, a debilidade do homem e, por outro, o verdadeiro poder de Deus, ou seja, a gratuidade do amor : precisamente esta total gratuidade do amor é a verdadeira sabedoria. São Paulo fez esta experiência até na sua carne, e disto dá-nos testemunho em várias fases do seu percurso espiritual, que se tornaram pontos de referência específicos para cada discípulo de Jesus: ‘Ele disse-me : basta-te a minha graça, porque é na fraqueza que a minha força se revela plenamente’ (2 Cor 12, 9); e ainda. ‘Deus escolheu o que é fraco, segundo o mundo, para confundir o que é forte’ (1 Cor 1, 27). O Apóstolo identifica-se a tal ponto com Cristo que também ele, embora se encontre no meio de muitas provações, vive na fé do Filho de Deus que o amou e se entregou pelos pecados dele e de todos (cf. Gl 1, 4; 2, 20). Este dado autobiográfico do Apóstolo torna-se paradigmático para todos nós.

Contanto que compadeçamos para que sejamos também glorificados’. Duas expressões aí têm seu peso teológico e prático, uma delas é ‘compadecer-se’. Ora, o termo padecer se prende à raiz grega de pathos, que passou para o latim como passio, passionis, em português, paixão ou sofrimento. Logo, compadecer-se – cum + passio, nis – quer dizer padecer ou sofrer com... Daí uma importante questão: sofrer com quem? – Sofrer com Cristo, especialmente presente na pessoa do irmão necessitado a clamar por ajuda. Aliás, é o próprio São Paulo quem vai dizer: ‘completo em minha carne o que falta à paixão de Cristo’ (Cl 1,24).

Isso, à primeira vista, pode parecer contraditório, pois a paixão do Senhor foi completa por si mesma, mas o que o Apóstolo quer nos dizer é que mesmo sendo completa, Jesus quis a nossa participação nela, dando-lhe uma moldura nova em nosso tempo. Eu aceito sofrer com Cristo ao assumir a minha cruz e ajudar, qual Cirineu, o meu irmão a carregar a cruz dele. Isso é reviver a Paixão do Senhor no compadecimento ou no sofrer junto aos que sofrem para melhor entender o sentido real da cruz.

Escreveu o Papa João Paulo II : ‘Do paradoxo da Cruz surge a resposta às nossas interrogações mais inquietantes. Cristo sofre por nós: Ele assume sobre si os sofrimentos de todos e redime-os. Cristo sofre conosco, dando-nos a possibilidade de partilhar com Ele os nossos sofrimentos. Juntamente com o de Cristo, o sofrimento humano torna-se meio de salvação. Eis por que o crente pode dizer com São Paulo : ‘Agora alegro-me nos sofrimentos que suporto por vós e completo na minha carne o que falta às tribulações de Cristo, pelo seu Corpo, que é a Igreja’ (Cl 1,24). O sofrimento, aceito com fé, torna-se a porta para entrar no mistério do sofrimento redentor do Senhor. Um sofrimento que já não priva da paz e da felicidade, porque é iluminado pelo esplendor da ressurreição’ (Mensagem Dia Mundial do Doente, 11/2/2004).

Outra reflexão é sobre ‘ser glorificado’ : ‘O Senhor Jesus quis fazer do padecimento e da morte (consequências do pecado) a estrada real que leva à glória’, ou seja, quem não passa pela cruz não chega à glória... Cristo abriu-nos as portas do Paraíso, mas quis (e quer) que nos esforcemos, com a sua graça, para chegar lá. Por isso a cruz é importante. Não uma cruz distante para todos, mas uma cruz próxima conforme entendeu São Paulo, segundo escreve Bento XVI na catequese já citada: ‘Na experiência pessoal de São Paulo há um dado incontestável : enquanto no início fora um perseguidor e recorrera à violência contra os cristãos, a partir do momento da sua conversão no caminho de Damasco passara do lado de Cristo crucificado, fazendo dele a sua razão de vida e o motivo da sua pregação. No encontro com Jesus, tornou-se-lhe claro o significado central da Cruz : compreendera que Jesus tinha morrido e ressuscitado por todos e por ele mesmo. Ambas as realidades eram importantes; a universalidade : Jesus morreu realmente por todos; e a subjetividade : Ele morreu também por mim. Portanto, na Cruz manifestou-se o amor gratuito e misericordioso de Deus. Paulo experimentou este amor em si mesmo (cf. Gl 2, 20) e, de pecador, tornou-se crente; de perseguidor, Apóstolo’.

Assumamos com Cristo a Cruz e encontraremos a verdadeira vida, caminhando com certeza para a Páscoa da Ressurreição.’


Fonte  :
* Artigo na íntegra de http://www.news.va/pt/news/a-renuncia-e-a-cruz-na-vida-do-cristao


Nenhum comentário: