quarta-feira, 9 de março de 2016

5 Passos para uma Vida Espiritual Cristã

Por Eliana Maria (Ir. Gabriela, Obl. OSB)

*Artigo de Padre Wendel, 
sacerdote Salvista, 
da Fraternidade Jesus Salvador


A oração é um dom de Deus, onde Ele quer estabelecer uma profunda e íntima comunhão com o ser humano, pode se dizer que é uma graça concedida pelo próprio Deus


1º A ORAÇÃO

Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou a seus discípulos.’ (cf. Lc 11, 1c)

A oração é um impulso do coração, é um simples olhar lançado ao céu, um grito de reconhecimento e amor no meio da provação ou no meio da alegria’ (Sta. Teresa do Menino Jesus).

A oração é a elevação da alma a Deus ou o pedido a Deus dos bens convenientes’ (São João Damasceno).

A oração é um dom de Deus, onde Ele quer estabelecer uma profunda e íntima comunhão com o ser humano, pode se dizer que é uma graça concedida pelo próprio Deus. E para que esta oração, que é um diálogo com Deus, aconteça é necessário o dom da fé. Em Hb 11, 6, diz que : ‘sem fé é impossível agradar a Deus, pois para se achegar a ele é necessário que se creia primeiro que ele existe e que recompensa os que o procuram.’

A oração nos torna amigos de Deus. Por isso, a oração e as suas práticas não podem se tornar um peso, mas deve trazer um desejo pelo divino.

A oração, quer saibamos ou não, é o encontro entre a sede de Deus e a nossa. Deus tem sede de que nós tenhamos sede dele’ (Sto. Agostinho).

Estamos num mundo que tenta nos fazer olhar para a Terra e não para as realidades celestiais. A oração é o caminho que nos faz lançar o olhar para as coisas do Alto. Quem deseja encontrar o Amor de Deus deve percorrer o caminho da oração, da experiência do encontro pessoal com Jesus. Este processo acontecerá a partir da fé.

Há diversas formas de Oração :

Oração de súplica

O vocabulário referente à súplica tem muitos matizes no Novo Testamento : pedir, implorar, suplicar com insistência, invocar, clamar, gritar e mesmo ‘lutar na oração’. Mas sua forma mais habitual, por ser a mais espontânea, é o pedido : é pela oração de súplica que exprimimos a consciência de nossa relação com Deus : como criaturas, não somos nem nossa origem, nem senhores das adversidades, nem nosso fim último. Mas, como pecadores, sabemos, na qualidade de cristãos, que nos afastamos de nosso Pai. O pedido já é uma volta para Ele.

Oração de intercessão

A intercessão é uma oração de pedido que nos conforma de perto com a oração de Jesus. Ele é o único Intercessor junto do Pai em favor de todos os homens, dos pecadores, sobretudo. Interceder, pedir em favor de outro, desde Abraão, é próprio de um coração que está em consonância com a misericórdia de Deus. No tempo da Igreja, a intercessão cristã participa da de Cristo; é a expressão da comunhão dos santos. Na intercessão, aquele que ora ‘não procura seus próprios interesses, mas pensa sobretudo nos dos outros’ (cf. Fl 2,4) e reza mesmo por aqueles que lhe fazem mal.

Oração de louvor

O louvor é a forma de oração que reconhece o mais imediatamente possível que Deus é Deus! Canta-o pelo que Ele mesmo é, dá-lhe glória, mais do que pelo que Ele faz, por aquilo que Ele É. A Eucaristia contém e exprime todas as formas de oração. É ‘a oferenda pura’ de todo o Corpo de Cristo ‘para a glória de seu Nome’; segundo as tradições do Oriente e do Ocidente, ela é ‘o sacrifício de louvor’.

‘Não existe outro caminho da oração cristã senão Cristo. Seja a nossa oração comunitária ou pessoal, vocal ou interior, ela só tem acesso ao Pai se orarmos ‘em nome’ de Jesus.’


2º. A EUCARISTIA

A Eucaristia é fonte e ápice de toda a vida cristã. Os demais sacramentos, assim como todos os ministérios eclesiásticos e tarefas apostólicas, se ligam à sagrada Eucaristia e a ela se ordenam. Pois a santíssima Eucaristia contém todo o bem espiritual da Igreja, a saber, o próprio Cristo, nossa Páscoa. Pela celebração Eucarística nós nos unimos à liturgia do céu e antecipamos a vida eterna, quando Deus será tudo em todos (cf. ICor 15,28).

Encontram-se no cerne da celebração da Eucaristia o pão e o vinho, os quais, pelas palavras de Cristo e pela invocação do Espírito Santo, se tornam o Corpo e o Sangue de Cristo. Fiel à ordem do Senhor, a Igreja continua fazendo, em sua memória, até a sua volta gloriosa, o que ele fez na véspera de sua paixão : ‘Tomou o pão…’ ‘Tomou o cálice cheio de vinho…’

A presença do verdadeiro Corpo de Cristo e do verdadeiro Sangue de Cristo neste sacramento não se pode descobrir pelos sentidos, diz Sto. Tomás, mas só com fé, baseada na autoridade de Deus.

O Senhor nos convida insistentemente a recebê-lo no sacramento da Eucaristia: ‘Em verdade, em verdade, vos digo : ‘se não comerdes a Carne do Filho do homem e não beberdes o seu Sangue, não tereis a vida em vós’’ (cf. Jo 6,53).

Um dos frutos da comunhão eucarística são :

– Aumenta a nossa união com Cristo. Receber a Eucaristia na comunhão traz como fruto principal a união íntima com Cristo Jesus. Pois o Senhor diz : ‘Quem come a minha Carne e bebe o meu Sangue permanece em mim e eu nele’ (cf. Jo 6,56).

– Separa-nos do pecado. Como o alimento corporal serve para restaurar a perda das forças, a Eucaristia fortalece a caridade que, na vida diária, tende a arrefecer; e esta caridade vivificada apaga os pecados veniais. Pela mesma caridade que acende em nós, a Eucaristia nos preserva dos pecados mortais futuros. Quanto mais participarmos da vida de Cristo e quanto mais progredirmos em sua amizade, tanto mais difícil de ele separar-nos pelo pecado mortal.


3º. A SAGRADA ESCRITURA

Na Sagrada Escritura, a Igreja encontra incessantemente seu alimento e sua força, pois nela não acolhe somente uma palavra humana, mas o que ela é realmente : a Palavra de Deus.

Os livros sagrados não devem ser apenas um livro de leitura ou somente para um conhecimento intelectual, mas sim um livro para rezar e meditar os mistérios revelados por Deus a cada um de nós.

Aqueles que desejam conhecer mais profundamente a Deus, deve ter a Bíblia sagrada como um grande meio para se chegar ao conhecimento do Amor de Deus.

A Sagrada Escritura é uma grande arma espiritual para derrubar as forças de Satanás.


4º. O ROSÁRIO DA VIRGEM MARIA

A Virgem Maria é reconhecida e honrada como a verdadeira Mãe de Deus e do Redentor. Ela é também verdadeiramente Mãe dos membros de Cristo, porque cooperou pela caridade para que na Igreja nascessem os fiéis que são os membros desta Cabeça.

O Rosário, de fato, ainda que caracterizado por sua fisionomia mariana, em seu âmago é oração cristológica. Com ele, o povo cristão frequenta a escola de Maria para deixar-se introduzir na contemplação da beleza do rosto de Cristo e na experiência da profundidade de seu amor. Mediante o Rosário, o cristão alcança a graça em abundância, como se a recebesse das próprias mãos da Mãe do Redentor.

Todo católico deve estar na ‘escola’ de Maria, pois Ela nos apresenta a grande Verdade que é Jesus Cristo, o seu Filho. Aqueles que tem a Virgem Maria como sua Mãe, tem uma grande intercessora em todos os momentos difíceis da vida terrena.

Maria Santíssima nos leva para os braços de Seu Filho Jesus.


5º. O JEJUM

Jejum e Abstinência

A abstinência e o jejum são formas de penitência interior. Este tipo de penitência nos ajuda a dominar as nossas paixões carnais, que muitas vezes nos conduzem ao pecado.

O jejum na Igreja Católica é obrigatório na quarta-feira de cinzas e na sexta-feira santa. Fora esses dias, o católico pode fazer jejum quando quiser e achar necessário. O jejum é deixar de fazer uma refeição no dia (almoço ou jantar).

A abstinência de carne, o fiel católico a partir dos 14 anos de idade deve abster-se de comer carne (e seus derivados) na Quarta-feira de cinzas, na Sexta-feira Santa (da Paixão) e em todas as sextas-feiras do ano (salvo se for dia de solenidade).

O jejum, o fiel católico a partir dos 18 anos até 59 anos de idade deve deixar de fazer uma refeição no dia – devendo ser o almoço ou o jantar, na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira da Paixão.’


Fonte :
* Artigo na íntegra


Nenhum comentário: