terça-feira, 14 de março de 2017

Rasgai vossos corações!

Por Eliana Maria (Ir. Gabriela, Obl. OSB)

Resultado de imagem para quaresma jejum
*Artigo de Rodrigo Ladeira, 
mestre em Teologia Litúrgica (Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia / BH-MG)


‘É próprio do período quaresmal, como tempo propício para a reconciliação, a quietude em todos os níveis imagináveis. Ela viabiliza, entre outras coisas, uma melhor e mais criativa escuta de Evangelho. Nesse tempo, a Igreja, que somos nós – não nos esqueçamos! – nos convida, começando com a celebração litúrgica da Quarta-feira de Cinzas, ao exercício integral, teo-antropológica, da conversão. A Comunidade de Mateus nos ajuda a entrar no coração deste ‘tempo favorável’ para a fé. Mateus consignou, nessa ordem, três exercícios da vida cristã, chamado pelos Santos Padres e a Tradição da Igreja de ‘observância quaresmal’ : esmola, oração e jejum. Devemos lembrar que esse tríptico, já clássico para o cristianismo, é uma herança do povo de Israel, agora ressignificada por Jesus, em vista do Reino de Deus e incorporada à Igreja, corpo de Cristo.

A nova ordem da tríade apresentada por Mateus (6,1ss), não é mera ‘reorganização dos tratores’ uma vez que altera a ‘construção do viaduto’. O evangelista coloca o jejum por último. É bom lembrar que o jejum, uma das práticas rituais do povo da Antiga Aliança, tinha se tornado umas das mais comuns em vista de expressar sua fidelidade a Deus. Voltando a Mateus, a nova ordem dos exercícios, por ele proposta, indica que à prática do jejum dever-se-á antes observar a esmola, como metáfora da máxima alteridade; e da oração, símbolo da mais alta experiência do Espírito de Cristo que reza em nós. Só por último Mateus indica o jejum, nesse caso, fruto da esmola e da oração, ponto alto do tríptico, por ele ressignificado a partir de Cristo, derradeiro lugar antropológico do aprendizado sobre a relação com o ‘outro-de-nós-mesmos’ em vista de uma essencial e crucial ‘saída-de-si’.

Ponto de partida para pensarmos o jejum, prática habitual da quaresma, deverá ser portanto a lógica da fé cristã, que se retroalimenta do seguimento de Jesus Cristo, do desejo de ser Igreja. Acontece que a fé, mais que invenção religiosa, supõe, como dissemos acima, alteridade nos três níveis da experiência humana : com os outros (esmola), para gerar fraternidade a partir dos mais necessitados; com Deus (oração), refinando nossa capacidade de escuta do Deus que se autocomunica em Jesus; conosco mesmos (jejum), colaborando para um sadio esvaziamento de si, de recusa da idolatria.

Acontece que aprendemos a prática do jejum quaresmal de modo pseudo-cristão. As famílias católicas tinham essa experiência de abstinência como a parte mais importante, porque custosa, em vista da preparação imediata da Páscoa, que tinha, inclusive, data e hora certa para acabar. Aliás, não está longe de nós aquela prática de jejum antes da participação na eucaristia. Esse tipo de atividade alimentou nosso imaginário, dando mais valor à privação no sentido de provação, muitas das vezes resumindo à abstinência  alimentar, do que ao espírito que deve animar, e não acabrunhar, a vida dos cristãos. O jejum deve ser uma oportunidade para celebrarmos o Mistério da fé, cujo nome é Jesus Cristo (cf. At 4,10). Ele é expressão da nossa liberdade, restaurada na liberdade de Cristo, obediente até a morte, como manifestação de sua kênose, de seu autoesvaziamento (cf. Fl 2).

Chegamos ao nó da questão. Aqui não está em jogo só a nossa capacidade de autocontrole. Isso qualquer não-cristão ou sem religião pode fazer, basta querer. O ponto crucial para o cristão é a idolatria, cujo movimento em contrário está expresso no Pai-nosso : ‘seja feita a vossa vontade’. O profeta Isaías, mesmo antes da encarnação de Cristo, ressignifica a prática do jejum, aliás, abundante apenas como recurso meramente ritual-expiatório no tempo da religião judaica. ‘Acaso o jejum que eu prefiro não será isto: soltar as cadeias injustas; desamarrar as cordas do jugo; deixar livres os oprimidos; acabar com toda espécie de imposição?’ (cf. Is 58,6). Os cristãos temos um plus, que o profeta anteviu, mas que só experimentou como sombra, porque o Verbo ainda não tinha se encarnado. Nós, por outro lado, podemos dizer em alta voz : ‘Ele está no meio de nós!’. Só encontramos sentido no exercício do jejum seguindo a lógica da festa, da celebração. Trata-se de uma ‘chance’ para o evangelho, que carece de ‘espaços vazios’ em nós para ecoar. Como exercício de seguimento cristão deve aí caber o todo da vida cristã, consignado no querigma, nessa ordem, em ciruclar-espiral : vida – morte – ressurreição – pentecostes – vida.

O jejum, como ação ritual-celebrativa, valerá mais pela intenção e sentido, do que pela quantidade e dificuldade. Abster-se de algum alimento, o mais clássico dos jejuns, ou da TV, do excesso de bebida, de alguma vaidade, da fofoca, do consumismo e tantas outras coisas, só será salutar, de acordo com a economia da salvação, se nisso verificarmos, como indica Mateus (6,16-18), fisionomia alegre, cheiro de perfume agradável, e não-publicidade, porque Deus gosta de pequenos segredos íntimos.

O jejum deve nos levar ao encontro, ao diálogo, à relação com o ‘Mistério da fé’ que se manifesta, se revela, nos outros, nossos irmãos, quando nos fazemos esmoleres; na intimidade com Deus, cerzido pela escuta da Palavra e do pão sacramental; mas também no autoesvaziamento, quando o jejum acha seu real sentido, não como pífia expressão, mais das vezes meramente racional, da fé, que nesse sentido é apenas manifestação religiosa, por isso pré-cristã, feita de horrorosas tentativas de barganhar com Deus que é o Amor (cf. 1Jo 4,8). O jejum, para não ser um simplório mecanismo de tutela religiosa, deve nos ensinar a ser cristãos para valer, dispostos a, como Joel (2,13), rasgar o coração mais que as vestes.’


Fonte :


Nenhum comentário: