quarta-feira, 8 de março de 2017

Quaresma - tempo de revisão

Por Eliana Maria (Ir. Gabriela, Obl. OSB)

Resultado de imagem para flores azuis
*Artigo do Padre Adérito Gomes Barbosa, SCJ 


Um pouco de história

Sabe-se que aproximadamente 200 anos depois de Cristo, os cristãos introduziram três dias antes da Páscoa dedicados à oração, à meditação e ao jejum como sinal de luto pela morte de Cristo.

Pensaram também que não deveria ser só preparada, mas era necessário encontrar também uma forma de prolongar a alegria e a riqueza espiritual da Páscoa. Foram assim instituídas sete semanas depois da Páscoa, 50 dias de Pentecostes que deveriam ser celebrados com alegria. Durante os dias de Pentecostes rezava-se em pé, era proibido jejuar, administrava-se o Batismo. Era como se o dia de Páscoa tivesse 50 dias.


Significado do número 40

Como outros números, o número 40 é um número simbólico. O número 40 indicava, entre outros significados, um período de preparação por causa de um grande acontecimento.

O dilúvio durou 40 dias e 40 noites; 40 anos foi o tempo que passou o Povo de Israel no deserto, preparando-se para entrar na Terra Prometida. Os habitantes de Nínive fizeram 40 dias de penitência antes de receber o perdão de Deus. Moisés e Jesus fizeram 40 dias e 40 noites de jejum para prepararem a sua missão.


A Quaresma

Desde os tempos antigos, a Quaresma sempre significou um período de renovação da própria vida. As práticas a cumprir eram três : a oração, a luta contra o mal e o jejum.

· A oração para pedir a Deus força para se converter e para crer no Evangelho. Aqui sublinha-se o aspecto da mudança, da consciência do próprio erro e a possibilidade de encetar um caminho diferente. O segundo aspecto sublinhado é rezar para ter a fé como dom de Deus. Quase que se poderá dizer que a quaresma é um tempo de retiro vivido por toda a Igreja.

· A luta contra o mal para dominar as paixões e o egoísmo, abrir-nos aos outros.

· O jejum. Para seguir Jesus Cristo, o cristão deve ter a força de se esquecer de si mesmo, de não pensar nos próprios interesses, mas só no bem do irmão. Assumir uma atitude constante, generosa e desinteressada não é fácil. É este o sentido do jejum. Também pode significar que para ajudar a quem se encontra em mais necessidade, é muitas vezes necessário renunciar àquilo de que se gosta e isso implica sacrifício. Não fazem assim as mães pelos seus filhos? O fruto do jejum servirá para matar a fome e a sede a um necessitado. É este o sentido do jejum apresentado pelo Pastor de Hermas. O Papa Leão Magno referia : ‘Nós prescrevemo-vos o jejum, lembrando-vos não só da necessidade da abstinência, mas também das obras de misericórdia’.

· A esmola também é uma forma de solidariedade, de partilha.


Quaresma, tempo de reconciliação

A Quaresma é tempo favorável para, através de diversas formas, renovarmos a nossa fidelidade cristã. O gesto de imposição das mãos na quarta-feira de cinzas leva-nos a tomar consciência da nossa condição de pecadores. A Quaresma é tempo propício para o aprofundamento do desígnio de Deus sobre cada um. É tempo de renunciar, de converter e de crer.

Ao longo destes 40 dias, as leituras sugerirão : sentido de jejum e da partilha, amor ao próximo, importância da oração, conversão, justiça de Deus, a sua misericórdia, o perdão e a reconciliação. Estas leituras quaresmais levam-nos a interrogarmo-nos : como vivemos as exigências do nosso batismo? Sugere-se mais reflexão sobre a Palavra de Deus, mais oração e a Via-Sacra.

A Quaresma exige que façamos a revisão das nossas competências. Se lutamos por ser competentes ou somos ‘do despacha’, porque custa. Também exige que façamos a revisão da nossa moralidade : os nossos costumes, os nossos valores, as nossas ações.

Assim como diz o Catecismo da Igreja Católica, entremos numa linha de ascese (esforço, sacrifício) e deixemos de lado a acédia (preguiça espiritual).’


Fonte :

Nenhum comentário: