sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Uma religiosa com a mala

O selo e o carimbo comemorativos do septuagésimo aniversário da canonização de  Francisca Cabrini e a mala de viagem utilizada pela religiosa

 ‘O seu símbolo seria uma mala : sabem-no bem as religiosas do instituto por ela fundado há exatamente 136 anos, que expuseram a sua mala de couro desgastada por causa das numerosas viagens, no museu que lhe dedicaram na casa mãe de Codogno. Porque viajou realmente muito, essa mulher lombarda, frágil e determinada, que dedicou a sua vida para ajudar os migrantes italianos que naqueles anos partiam cheios de esperança rumo às Américas. Francisca Cabrini tinha recebido aquela missão do Papa Leão XIII e para a cumprir tornou-se ela mesma migrante entre os migrantes. Partiu de Génova com sete irmãs em 1889 — ela que não conhecia o mar, precisamente como a maioria das mulheres e dos homens amontoados na terceira classe — e já durante a travessia começou a dar-se conta das terríveis condições em que os migrantes viviam. Assim como eles, pensava que ia encontrar uma acomodação hospitaleira e ajuda, quando chegasse a Nova Iorque, mas uma amarga desilusão estava à sua espera.

O selo e o carimbo comemorativos do septuagésimo aniversário da canonização de Francisca Cabrini e a mala de viagem utilizada pela religiosa

Os padres scalabrinianos que a aguardavam à chegada começaram a dizer que não a esperavam tão cedo, que a sua acomodação ainda não estava pronta. No dia seguinte, depois de ter descansado em condições de sujidade terrível numa hospedaria, foi ter com o arcebispo Corrigan e descobriu que a situação era pior ainda : o prelado ordenou-lhes que voltassem a partir com o mesmo navio porque os católicos irlandeses, dos quais ele mesmo fazia parte, não queriam que religiosas italianas os estorvassem. Com efeito os irlandeses, já estabelecidos na América desde há algumas décadas, deploravam a chegada de outros católicos pobres, sujos, ignorantes como os imigrantes italianos. Nem sequer permitiam que eles entrassem nas suas igrejas.

Esta experiência simplesmente confirmou a Francisca Cabrini quanto a presença delas era necessária. Também ela sem proteção, sem saber uma palavra de inglês, pôs imediatamente mãos à obra para encontrar uma sede digna, apoiantes abastados que financiassem as suas escolas e os seus orfanatos, não obstante fosse necessário enfrentar um muro de dificuldades. Nada ia pelo caminho certo, e tudo parecia conjurar contra o seu projeto : mas ela via nas dificuldades e nas desilusões não tanto obstáculos, quanto provações espirituais para purificar as suas intenções e dar bases mais sólidas ao seu trabalho. «Chegaram aos nossos ouvidos — escrevem as irmãs nas suas memórias — observações e pareceres que, se fossem ouvidos, deveriam por assim dizer destruir a obra e em geral a ideia de praticar o bem aos pobres italianos. Ouvia-se falar também do ódio que aqui existe contra os italianos e as suas escolas, das grandes dificuldades que deveríamos superar, etc. Se a reverenda madre-geral tivesse sido uma mulher de espírito fraco, certamente deveria renunciar a tudo e partir imediatamente». Por sua vez, Cabrini escrevia : «Aqui não suportam a vista dos italianos». Mas, independentemente do que acontecesse, Francisca estava convicta de que, confiando-se de modo completo ao Coração de Jesus, no momento certo, os resultados positivos não teriam faltado: ensinava às irmãs que «a missão deverá proceder muito bem, porque encontra muitas oposições».

Ela movia-se em duas direções : por um lado, visitar os pobres e compreender as suas exigências; por outro, procurar entender a sociedade americana com encontros específicos. Foi naquele período que nasceram os seus grandes amores : pelos pobres italianos ignorantes e vilipendiados, sem proteção e sem ajuda, mas também pela América, um país no qual ela intuiu depressa que havia muitas perspectivas de realização e de abertura para quantos chegavam. Fez-se amar imediatamente pelos americanos em virtude da sua abordagem franca, da sua maneira de ir diretamente ao núcleo das questões, da sua praticidade. Para ela, foi imediatamente claro o caminho para o resgate dos migrantes italianos : transformar um exército de italianos ignorantes e pobres em cidadãos americanos estimados. Assim conseguiu transformar os inimigos — como o arcebispo Corrigan — em patrocinadores, que lhe ofereceram ajuda para a construção dos primeiros orfanatos e para as primeiras escolas. Efetivamente, Francisca não pedia caridade, mas sabia envolver os seus interlocutores, propondo-lhes investimentos em obras de assistência que, graças à sua habilidade de administradora, se tornariam instituições prósperas. Oferece-se dinheiro com mais boa vontade a quantos demonstram que sabem fazer bom uso do mesmo. As suas obras, nas quais as dimensões caritativas se faziam acompanhar sempre de serviços a pagamento, eram geridas como empresas e portanto, possivelmente, também deviam produzir lucro, que era imediatamente investido noutras fundações.

Este tipo de inserção na sociedade americana, inicialmente quase desprovida de coberturas institucionais e de fundos, era muito semelhante àquela que viviam os migrantes, e esta experiência foi-lhe preciosa na invenção de estratégias de ajudas destinadas a eles. Como revelam as palavras pronunciadas numa entrevista ao diário «The Sun», poucos meses depois da sua chegada : «O nosso objetivo consiste em arrancar os órfãos italianos da cidade da miséria e dos perigos que os ameaçam, e transformá-los em homens bons».

Com efeito, a madre Cabrini elabora um modelo de integração para os imigrantes — um modelo que ela mesma seguirá, a qual em 1909 receberá a cidadania americana, como naturalmente as suas irmãs — segundo o qual a nova identidade americana podia conviver com a originária italiana, graças à pertença à religião católica. Na sua opinião, era exatamente a universalidade do catolicismo que garantia a continuidade entre a situação de partida e a de chegada.

Não obstante a vida para os italianos e para os católicos em geral fosse bastante árdua, Francisca compreende no novo mundo as reais possibilidades de afirmação e de inserção, vê o lado positivo da liberdade e da coexistência de diferentes religiões, garantia de uma tolerância que a Europa, enferma de intolerância anticlerical, já não lhe assegurava.

De cada uma das casas por ela fundada tinha início uma rede de iniciativas a favor do bairro, que abrangia a escola paroquial e a visita às famílias. As religiosas não apenas distribuíam alimentos e roupas aos mais necessitados, mas também encorajavam o batismo das crianças, a regularização dos casamentos na igreja e o retorno à prática da religião católica. Os imigrantes em dificuldade sabiam que podiam entrar em contacto com o convento para solicitar a sua ajuda, sabiam que as religiosas teriam auxiliado os desempregados a encontrar um trabalho, assistido as crianças sem uma família e assegurado a assistência legal às famílias pobres que precisassem disto. Se fosse necessário, elas ajudavam também aqueles que desejavam repatriar. Em cada instituto havia uma secretária para ajudar os imigrantes a escrever aos familiares, a efetuar os procedimentos burocráticos e a manter os contactos com as instituições do país de origem. As modalidades de intervenção mudavam em conformidade com as necessidades e as características do lugar de estabelecimento. Por exemplo em New Orleans, onde um desagradável episódio de violência tinha gerado uma onda de espírito anti-italiano, a madre conseguiu recuperar a estima e a admiração dos cidadãos apaixonados pela música, fazendo cantar Verdi durante uma procissão.

A sua estratégia previa que se usasse o italiano com os imigrantes : eram em italiano os serviços religiosos e as representações teatrais das escolas, assim como italiano era o pessoal dos hospitais e, parcialmente, o ensino nas escolas. Mas a sua preocupação constante foi garantir em cada escola um bom ensino na língua local, para favorecer a inserção.

As religiosas ocupavam-se também dos encarcerados, o grupo mais desventurado dos imigrantes italianos : «Era um espetáculo comovedor ver mais de cem homens entregues a todos os vícios pender dos lábios de uma religiosa humilde, aprender aquilo que talvez sempre tinham ignorado, levantar objeções e perguntar para compreender melhor e saber mais», escreve uma irmã cabriniana.

Quer se tratasse de minas ou de prisões, a madre Cabrini não teve medo de enviar as suas irmãs — armadas unicamente com a sua caridade — para lugares terríveis, onde poucas mulheres teriam ousado ir. O hábito religioso nem sempre constituía uma defesa, mas elas conseguiam fazer-se aceitar por aqueles desventurados falando-lhes em italiano, com docilidade, e mostrando com simplicidade e paciência um interesse sincero pelas suas almas. Para muitos mineiros ou encarcerados, a voz das religiosas e o seu sorriso constituíam o primeiro contato humano depois de meses de humilhações e de canseiras, de isolamento e de desespero. A sua finalidade consistia em dar dignidade e esperança também àquelas franjas de desesperados, para os quais a emigração tinha sido uma derrota.

Nalguns casos, as irmãs cabrinianas conseguiram até obter a revisão de processos, com resultado favorável para os condenados, penalizados por desconhecerem a língua inglesa, o que não lhes permitia defender-se.

Para abrir uma escola, um orfanato, um hospital, destinados aos imigrantes, a madre Cabrini escolhia sempre lugares bonitos, edifícios espaçosos e luminosos, possivelmente circundados por amplos espaços verdes. Assim, os últimos tornavam-se os primeiros. Mas desta forma desejava também dissipar as vozes negativas que pesavam sobre a comunidade italiana, tornando-a pouco aceite e escassamente estimada pelos outros grupos étnicos, sobretudo pelos irlandeses. Os edifícios bonitos, o estilo com o qual preparava as festas de inauguração, para as quais eram convidadas as autoridades religiosas e civis, para saborear as especialidades italianas e ouvir a música lírica, contribuíram não só para fortalecer a sua fama de mulher empreendedora de valor, mas inclusive para melhorar a imagem dos italianos.

Muitas vezes na preparação dos edifícios para o novo destino assistencial, ela teve que combater com bairros inteiros, que não queriam que um estabelecimento dedicado aos migrantes italianos diminuísse o valor imobiliário das casas. Em Chicago, para a obrigar a mudar de ideia, sabotaram o hospital em construção, mas Francisca não renunciou ao seu projeto; ao contrário, decidiu fazer entrar imediatamente os doentes : «Não acho que os nossos inimigos queiram chegar a ponto de queimar vivos os enfermos». E os acontecimentos deram-lhe razão. Em Seattle, superou todas as dificuldades que lhe foram impostas e conseguiu transformar um hotel de luxo num hospital maravilhoso.

Os movimentos migratórios, que na época da madre Cabrini diziam respeito acima de tudo aos europeus mais pobres que partiam para as Américas, hoje dizem respeito a todos os países do Terceiro Mundo, e a Europa, de base de partida, tornou-se terra de chegada. Mas Francisca Cabrini já tinha vislumbrado no migrante o homem novo : sem raízes, sem mais pertenças religiosas ou de pátria, agora ele deve construir a própria identidade e a sua vida. A emigração tornou-se o problema do nosso tempo, e precisamente por isso a santa falecida há quase cem anos, em 1917 em Chicago, é hoje mais atual e mais importante do que nunca.’


Fonte :

Nenhum comentário: