sábado, 23 de abril de 2016

Filosofia ubuntu

Por Eliana Maria (Ir. Gabriela, Obl. OSB)

 *Artigo de Padre Bernardino Frutuoso,
Missionário Comboniano


A humanidade de cada um de nós está ligada, indissoluvelmente, aos outros.

‘O conflito armado na Síria dura há cinco anos. Aquela que foi descrita como «miniguerra mundial» provocou, até ao momento, cinco milhões de refugiados, sete milhões de deslocados dentro do país e um número de mortos que oscila entre os 300 e 470 mil. Ao mesmo tempo, os 28 países da União Europeia (UE) chegaram a um acordo com a Turquia que fecha a rota migratória do mar Egeu e provoca uma mudança radical na política sobre os migrantes. Estipula que por cada sírio que a Turquia aceitar de volta, a UE promete acolher outro pelas vias legais, com um desembolso incluído para o Governo turco. O acordo, sobre o qual há dúvidas acerca da sua legalidade e eficácia – e que parece considerar esses homens e mulheres como números e não como seres dotados de uma dignidade transcendental e de direitos inalienáveis –, é visto como um remendo e não uma solução eficaz para a crise dos refugiados.

O Papa Francisco, que na Quinta-Feira Santa lavou, simbolicamente, os pés a 12 refugiados, denunciou que «ninguém quer assumir a responsabilidade» do destino destes irmãos que vivem uma real e dramática situação de exílio : «Quantos tentam chegar a outros lugares e lhes fecham as portas. E estão ali na fronteira, porque tantas portas e tantos corações estão fechados. Os migrantes de hoje que sofrem, que sofrem a céu aberto, sem alimento, e não podem entrar, não sentem o acolhimento. Gosto quando vejo as nações, os governantes que abrem o coração e abrem as portas.»

Estas palavras de Francisco sobre a globalização da indiferença fizeram-me recordar a filosofia ubuntu. Este conceito, de origem africana, concretamente da língua banta, significa «eu sou porque nós somos». Expressa uma concepção de ser-com-os-outros, conscientes de que não somos ilhas, mas que uma pessoa é e se realiza por meio das outras pessoas e de todos os seres vivos. Pensa a comunidade e a humanidade como uma família – na linha da universalidade do amor e da fraternidade dos cristãos – e a Terra como a Casa Comum da Humanidade, como refere a encíclica ecológica Louvado Sejas. Faz-nos ter consciência de que quando uma pessoa é oprimida, marginalizada, diminuída, todos nós somos. Quando se fomenta compaixão, generosidade, respeito, acolhimento, todos nós beneficiamos. A humanidade de cada um de nós está ligada, indissoluvelmente, aos outros.

O ubuntu – uma dádiva do Sul do mundo – propõe um estilo de vida que se identifica com a ética cívica, sugerida pela filósofa Adela Cortina. Todos os cidadãos, afirma a pensadora espanhola, partilhamos e respeitamos uma ética civil, que inclui os princípios da liberdade, igualdade, solidariedade, tolerância, diálogo. Essa é a base comum que permite construir uma sociedade mais justa, inclusiva e democrática. Sem estes princípios ético-morais, parafraseando o filósofo francês Jean-Paul Sartre, os outros são para mim um inferno, de quem eu procuro separar-me levantando altos muros. A UE não pode existir como um oásis de paz e progresso, enquanto na outra margem estão milhões de pessoas abandonadas à guerra e à miséria. Como afirmou Filippo Grandi, responsável máximo do ACNUR, «este é o momento para reafirmar os valores sobre os quais se construiu a Europa». Todos nós fazemos parte desta grande família da humanidade e somos peregrinos na casa comum chamada Terra.’


Fonte :
* Artigo na íntegra


Nenhum comentário: