quarta-feira, 19 de novembro de 2014

'A minha cama como altar' : memórias de um sacerdote perseguido na União Soviética

Por Eliana Maria (Ir. Gabriela, Obl. OSB)
  
Monsenhor Sigitas Tamkevičius, 
bispo de Kaunas (Lituânia)

‘No dia 9 de novembro foi comemorado o 25º aniversário da queda do Muro de Berlim, terrível barreira cinza que cortava o coração da Europa. Como herança ainda permanecem hoje alguns fragmentos de cimento na capital alemã e os testemunhos daqueles que pessoalmente estavam envolvidos na exasperação ideológica daquelas décadas de ódio. A batalha organizada pelo comunismo internacional contra o cristianismo é um dos aspectos mais hediondos do século XX, que se revela em todo o seu realismo percorrendo a longa lista de mártires, incluindo milhares de sacerdotes diocesanos e religiosos, entre leigos e seminaristas, além de uma centena de bispos e quatro cardeais.

A história que Monsenhor Sigitas Tamkevičius, agora bispo de Kaunas (Lituânia), narrou a José Miguel Cejas no livro El baile tras la tormenta (A dança depois da tempestade), oferece informações valiosas sobre a realidade de um sacerdote na União Soviética. O site Alfa y Omega propôs um trecho sobre a detenção, o posterior interrogatório e a prisão do então padre Sigitas.

O padre jesuíta foi parado pelas autoridades soviéticas, juntamente com seus outros irmãos em 1983. ‘Subindo a van da KGB, subiu-me um suor frio – diz Monsenhor Tamkevičius -. Os porões da prisão, com os corredores estreitos, os tetos altos, mal iluminados por lâmpadas fracas, com manchas de humidade e fissuras, não inspiravam a serenidade’.

Diante de um austero funcionário e com uma forte luz nos olhos, o atual arcebispo deu os seus dados, os quais não deixaram nenhuma dúvida ao agente : ‘Uau! Você é Sigitas, do Comitê para a Defesa dos Crentes, que faz propaganda anti-soviética contra o Estado’, exclamaram. O que realmente interessava a eles - hoje revela o arcebispo - não era a sua participação no Comitê, mas a publicação da revista A Crônica da Igreja na Lituânia, uma revista organizada por Tamkevičius com outros quatro sacerdotes e enviada também para o exterior.

O objetivo desta publicação – em acordo com o bispo Monsenhor Vicentas Sladkevicius – era o de informar o mundo sobre os assédios aos quais eram submetidos os eclesiásticos e os praticantes católicos na União Soviética. Proibidas catequeses e conferências, era assim sufocado todo desejo de evangelização. Durante as Missas, então, estava sempre presente algum espião do Governo que tomava notas sobre homilias e verificava que entre os presentes não houvesse ninguém além dos habituais idosos.

Denunciar esta situação além da cortina de ferro, evidentemente, preocupava os funcionários comunistas. Como diz Monsenhor Tamkevičius, ‘oito oficiais começaram a me interrogar um dia sim, um dia não. Não podia imaginar que aquele interrogatório continuaria por seis meses!’. Um longo período durante o qual – acrescenta o prelado – ‘Deus me deu a força para não trair ninguém (...), nem sequer nos momentos de maior fraqueza’.

O arcebispo explica que muitos, escutando o seu testemunho, perguntam-lhe como é que foi possível resistir. A cada um deles explica que o mérito não está nas suas forças, mas sim na sua perseverança na fé. Aí está o segredo da salvação de Monsenhor Tamkevičius.

Embora confinado em um canto escondido de uma cela, privado de tudo, este sacerdote conseguiu assim mesmo celebrar a Eucaristia. ‘Na prisão consegui comprar um pouco de pão e verifiquei que era de trigo – narra -. Faltava-me só o vinho; em uma carta pedi à minha família uva passa seca. A partir daquele momento tinha só que encontrar o melhor momento, sabendo que o meu companheiro de cela, como acontecia no geral, era um criminoso comum ao qual foi prometido reduzir a pena caso tivesse fornecido algumas informações comprometedoras sobre mim’.

Bom momento que só acontecia quando o seu companheiro de cela dormia. Naquele momento o sacerdote, de costas para a porta, coloca o estojo de óculos na mesa e colocava um pedaço de pão e uma pequena tijela com uva passa. Depois disso, pegava esta uva e começava a apertá-la entre os dedos até conseguir alguma gota de vinho que, em casos excepcionais, é válida para celebrar a Eucaristia.

Excepcional era também a alegria que enchia a alma de Monsenhor Tamkevičius naqueles momentos. ‘Experimentava uma alegria maior do que a que tinha provado a primeira vez que celebrei a Missa na catedral de Kaunas’. O arcebispo estava convencido de que era devido ao fato de que ‘Deus me confortava e me consolava’; presença que estava ‘do meu lado, de forma inefável’.

Daí a sua ‘força especial’ escudo vital capaz de rejeitar qualquer tentação de desconforto. O arcebispo recorda que, por vezes, para fugir do perigo de que um olhar do seu companheiro de cela pudesse surpreendê-lo, tinha que celebrar deitado na cama, de noite : ‘com as Sagradas Espécies sobre a minha cama, transformada em altar’. Essas são as recordações de Monsenhor Tamkevičius, que representam um pedaço daquele período de perseguição anti-cristã, durante o qual, no entanto, ‘os braços de Jesus me sustentavam’.


Fonte :
* Artigo na íntegra de http://www.zenit.org/pt/articles/a-minha-cama-como-altar-memorias-de-um-sacerdote-perseguido-na-uniao-sovietica

Nenhum comentário: